fbpx

Confecção no Ceará tem melhor ano de exportação!

Oceano ainda não tão explorado!

O setor de exportação tem cada vez mais se desenvolvido em nosso estado. Contudo, os empresários ainda não exploram verdadeiramente tal oportunidade. Além de ser um enorme mercado, a exportação possui benefícios fiscais que estão ao alcance de todas as empresas (sejam do Simples ou Não), o processo para exportar é muito fácil.

2018 foi um ano de crescimento para o Setor

O Ceará é o 6° estado brasileiro em exportações no setor de confecções. O total acumulado em 2018 chegou a US$ 4,17 milhões, o que significa um crescimento de 2,5% em relação a 2017, o montante é o melhor resultado desde 2014. No mesmo intervalo de tempo, as importações obtiveram um salto ainda maior.

Os números fazem parte do estudo setorial de confecções do Ceará em Comex, elaborado pelo Centro Internacional de Negócios da FIEC. Com crescimento de 37,4%, quando comparado a 2017, as aquisições internacionais do estado no setor chegaram a US$ US$ 11,5 milhões só no ano passado.

Artigos mais vendidos

Os artigos mais vendidos ao exterior pelo estado no setor foram os sutiãs e bustiês, com um total de US$ 1,06 milhões, segundo maior valor do país para o produto. O montante alcançado pelos sutiãs representa 25% das exportações cearenses no setor. Os principais destinos são Paraguai e Bolívia, principalmente pela realidade fronteiriça, visto que as exportações do segmento são, em sua maioria, via modal rodoviário. Juntos, os dois países compreendem 57,5% das vendas internacionais do estado, totalizando US$ 2,4 milhões.

O grupo de produtos que compreende as calças e shorts masculinos foi o mais importado pelo estado cearense no período analisado, com US$ 1,42 milhões. Logo em seguida estão os trapos e desperdícios, com US$ 1,19 milhões. Os sutiãs e bustiês reaparecem como o 3° item mais importado, com total de US$ 1,18 milhões.

O grupo de sutiãs detém ainda o 2° maior crescimento entre os artigos importados, tendo aumentado em 96,4% em compras pelo estado. A China vendeu ao Ceará US$ 7,41 milhões, valor que cresceu 47,9% entre 2018 e 2017. O segundo, Bangladesh, forneceu US$ 1,9 milhões.

Conclusão

Esteja atento ao seu mercado e busque sempre novas oportunidades. Já ouviu falar da frase: sem fato novo, sem receita nova! Para a sua evolução, saiba que pode contar com a ACSBRASIL Contabilidade.

Se tiver alguma dúvida, entre em contato com nossa equipe:
85 3484-7688
fiscal@acsbrasil.com

Fonte: G1